Páginas

21 de agosto de 2017

...Gullfoss - Islândia...







Esta queda de água para além de gigantesca (32 metros e um caudal de 130 metros cúbicos por segundo) tem a ela associada a luta de uma mulher, Sigrídur Tómasdóttir. No início do século XX, um inglês quis comprar Gullfoss ao pai de Sigrídur para produzir eletricidade; ela opôs-se e lutou em tribunal para que tal não acontecesse, chegou a fazer várias vezes o percurso a pé (108,9 km) até Reiquiavique para defender a sua causa. Não venceu, contudo, o pai acabou por arrendar apenas o espaço e por falha de pagamento o contrato foi anulado antes de haver qualquer tipo de intervenção, além disso, a sua luta chamou a atenção para a necessidade de preservar a natureza. Na atualidade, Gullfoss é uma reserva natural, pertence ao estado islandês e pode ser visitada gratuitamente.

20 de agosto de 2017

...natalidade...





"A mais baixa taxa de fecundidade da União Europeia, estagnação económica, decréscimo e envelhecimento da população. São estes os problemas diagnosticados a Portugal, num recente estudo que revela uma Europa dividida em duas."
in Público, 19 de agosto de 2017

19 de agosto de 2017

...on the road - Islândia...








E depois de Reiquiavique a viagem começou! Estas foram as presenças constantes no périplo pela ilha: verde e azul intensos, gente que surge do nada e uma longa e (quase) deserta estrada ladeada de permanente surpresa em forma de água, terra, lava, nuvens, ovelhas ou cavalos (em determinadas zonas ultrapassam em número as primeiras).
Quatro mil e duzentos quilómetros com sabor a pouco e muita vontade de regressar.

18 de agosto de 2017

...Reiquiavique - Islândia...

















Apesar de Reiquiavique ser a capital não se sente o reboliço típico das cidades nem mesmo na artéria principal. Mas verdade seja dita, não se vai à Islândia por causa da capital, foi um dos locais menos interessantes que visitei, daí que me limitei  a deambular pela cidade atraída pela configuração das casas e segui viagem. Mais tarde constatei que podem ser encontradas semelhantes mesmo nos lugares mais ermos do país.

17 de agosto de 2017

...Lagoa Azul - Islândia...








Cheguei à noite e como tal pernoitei em Keflavik  (2 km do aeroporto). Na manhã seguinte, atravessei campos de lava e, num cenário quase surreal com as chaminés da central  geotérmica de Svartsengi, cheguei à Lagoa Azul, contudo, só na noite do dia seguinte pude tomar banho. Aconselho a reservar pela Net caso não permanecem mais do que um dia na região de Reiquiavique. 
A cor da lagoa é resultado de uma concentração de sílica, calcário e algas azul-esverdeadas.  Depois de ter alimentado a central e perdido a temperatura inicial, a água, captada a uma profundidade de 1800 metros,  é despejada na lagoa onde permanece entre os 36 e os 39ºC. (E às onze da noite o banho soube ainda melhor:-)



16 de agosto de 2017

...mantas irmanadas...






Com tecidos restantes desta manta, fiz agora duas para os novos membros da família. Juntei novamente triângulos e surgiram mais dois padrões.