Páginas

21 de março de 2008

...Porto...

Vou muitas vezes de férias sem sair cá do meu "bairro".
Comecei esta viagem por volta das 16.30. Atravessei Cedofeita de uma ponta à outra; pelo meio descobri uma nova loja de sabão feito com azeite e 0% de gordura animal.



Tirei fotos à montra de uma retrosaria (local de paragem obrigatória) e ao batente de uma porta.

Desci os Clérigos e, numa rua transversal, Conde de Vizela,comprei baetão e tecido no armazém de fazendas do senhor Oliveira.
Passei pela Praça da Liberdade para ir lanchar a Santa Catarina (a Leitaria da Quinta do Paço estava apinhada de gente), mas ainda dei uma espreitadela pela porta da Lello.

Entrei na Fnac à procura de um livro e saí com outro que não procurava.
Eram 18.55, corri até à Casa Rocha para comprar um carrinho de linhas; à saída contemplei os azulejos recém restaurados da Capela das Almas.
De regresso a casa, passei pelo Bolhão; mais à frente espreitei numa loja já fechada e a senhora amavelmente abriu-a, comprei um Dressmaker Pencil. Ao passar na Praça da República já estava escuro, mas pude ver pela primeira vez o nome da estátua Rapto de Ganimedes.

Jantei fora, passei o olhar pelos escaparates da nova Leitura do Cidade do Porto e fui ver " O Lado Selvagem" de Sean Penn ( A não perder).
E neste momento parece-me oportuno citar uma das FRASES do filme:
"A felicidade só é real se for partilhada."

Não é a isto que se chama viajar?


3 comentários:

PF disse...

"O Lado Selvagem" tem uma moral:
"É muito perigoso comer vegetais!"

Fadinha disse...

Que tarde encantadora!
:) Nós descobrimos esses sabões artesanais numa loja em Santiago de Compostela. São fantásticos! e agora já sei onde os encontrar aqui no Porto.
beijinhos

Isilda disse...

Ainda não experimentei os sabões, ofereci os que comprei. Tenho de lá voltar.
E quanto à tarde, o Porto é mesmo assim, permite-nos momentos de evasão e paragens no tempo...
Beijinho